10 March 2020

Travel | Viagem de ski em Andorra


Regressei do paraíso branco que são os Pirinéus de Andorra, 
e venho partilhar convosco todos os detalhes desta escapadinha de Inverno que eu e o Diogo fizemos!

Tirando a minha rosácea, que reagiu muito mal ao frio, 
e as nódoas negras que cobrem as minhas pernas das quedas a fazer ski, 
volto leve como uma borboleta e descansada!
Fez-me mesmo bem esta pausa, sobretudo por ter sido uma experiência diferente!

Vou partilhar os detalhes da viagem, e as fotos que tirei por lá!
(Não tirei milhentas fotos, porque fiz por aproveitar a viagem ao máximo!)


DURAÇÃO 

Aproveitámos a semana do Carnaval para recarregar baterias, e desligar de todo o stress do trabalho. 
Partimos de Braga no dia 22 de Fevereiro e regressámos no dia 1 de Março, ou seja, 
a viagem correspondeu a um total de 8 noites, 6 das quais em Andorra.


VIAGEM

Optámos por fazer a viagem de carro, de Braga - Burgos - Andorra (Soldeu), e vice-versa. 
Ao todo são cerca de 12 horas de viagem, por isso fraccionámos a viagem em duas, 
e ficámos alojados em Burgos (cidade de Espanha localizada num ponto intermédio entre Braga e Andorra), à ida e no regresso.

O percurso faz-se bem, sobretudo com o bom tempo que apanhámos.
Voltaria a optar por este método, já que ter carro em Andorra dá bastante liberdade!
Fizemos, ao todo, cerca de 3000 km, entre o total das viagens e os percursos em Andorra.

Em portagens ficou um total de 76,92€
e em gasóleo (aproveitámos para atestar duas vezes em Espanha e uma em Andorra) 153,38€.
Só estacionámos o carro no interior em Andorra uma noite, porque nevou, e ficou 10€. 
Nos outros dias ficou na rua, sem qualquer problema. 


ESTÂNCIA DE SKI, FORFAIT, SEGURO & ALUGUER DE MATERIAL

Optámos pela estância GRANDVALIRA em ANDORRA
que conta com 6 sectores e mais de 200km de pistas, abertas entre as 9 e as 17h.

Para aceder à estância é necessário adquirir os chamados “FORFAITS”, 
que vos dão acesso a todos os sectores.


Imprescindível também foi alugar o MATERIAL DE SKI: botas, skis e batons. 
Escolhemos a qualidade média e reservámos online. 
O capacete foi alugado directamente na estância.

Também optámos por fazer um SEGURO DE SKI através do próprio site Grandvalira 
(e olhem que o Diogo leu todinho e achou que era bastante bom).

Para o total de 5 DIAS DE SKI , o FORFAIT + SEGURO SKI + ALUGUER MATERIAL SKI ficou um total de 382,5€ por pessoa.


SECTOR DE GRANDVALIRA & AULAS DE SKI 

Sendo eu uma iniciante na arte de esquiar era bastante importante escolher bem o sector:
o objectivo foi que o sector onde passássemos a maior parte do tempo tivesse pistas fáceis para mim, 
mas sem ser o completo tédio para o Diogo, que já tinha esquiado há uns 15 anos...

A dificuldade das pistas de ski avança desta forma:
verde (principiante) - azul (intermédia) vermelha (difícil) - preta (muito difícil)

Assim, acabámos por escolher o sector SOLDEU como ponto de partida, 
e foi lá que tive as minhas aulas de ski.
Toda a gente recomenda que se tenha aulas, 
e eu reitero essa necessidade: ajudou imenso a não desistir à primeira contrariedade!


Aprender ski não é fácil, aviso desde já! 
Há muitas quedas envolvidas, e, no meu caso, muita frustração por não estar a evoluir como queria.
Houve alturas que estive perto de desistir, de tão difícil que é!
Mas a parte bonita é que, quando lhe começam a apanhar o jeito, vão começar a desafiar-se,
avançando para pistas cada vez mais complicadas, andando mais depressa...

Escolhi ter aulas colectivas para nível principiante (debutante), durante os 3 primeiros dias. 
Cada aula teve uma duração de 3h (das 10h às 13h) e éramos cerca de 6 pessoas para cada monitor. Gostei imenso, deu-me bastante confiança e fez-me avançar mais depressa! 
Comprámos as aulas com antecedência, também no site Grandvalira, e ficaram 133€ por pessoa.


Nos 2 últimos dias optámos por explorar as pistas do sector vizinho EL TARTER, 
que comunica directamente com SOLDEU. 
Gostei bastante, é um sector muito completo. 
Enquanto eu me diverti a fazer a pista azul Gall de Bosc desde o topo, 
tentando não parar a cada 5 metros, o Diogo fez várias pistas vermelhas quase sem cair! 
Foi um sucesso! 


ROUPA PARA ESQUIAR

A maior parte da roupa que usei para esquiar foi em segunda mão: 
as únicas coisas que tive de comprar foram o casaco de neve, os óculos e optei por renovar o stock de meias quentes.
Por dentro do casaco e das calças de neve, levei os imprescindíveis forros térmicos! 
Os que levei também são da Decathlon, são quentes mas transpiráveis, 
perfeitos para fazer actividade física no topo das montanhas. 
Nunca tive frio, nem nos dias em que nevou!


ALOJAMENTOS & REFEIÇÕES

Ao todo ficámos 6 noites em Soldeu, Andorra. 
Os alojamentos em Andorra já estavam bastante escolhidos quando reservámos (acho que nem 1 mês faltava!), 
por isso optámos pelo Hôtel Austria, um 3 estrelas despretensioso, mas bem localizado, a uns 2-3km do sector Soldeu. 
Escolhemos a opção com pequeno-almoço e jantar (buffet) e foi o melhor que podíamos ter feito: 
a comida era boa, variada e assim não tínhamos de procurar um restaurante depois de 6 horas a esquiar intensamente!
Ao todo, por pessoa, as 6 noites com meia pensão ficaram 434,69€ por pessoa (cerca de 73€ por noite).


As 2 noites que passámos em Burgos foram no Hotel Las Terrazas, bastante simpático. 
Escolhemos a opção sem pequeno-almoço e cada noite ficou cerca de 20€ por pessoa.

Nas refeições que não tínhamos incluídas, inclusive nos sectores de Ski de Grandvalira, Soldeu e El Tarter, gastamos pouco mais de 150€ por pessoa ao todo.
Achei as refeições nos sectores de Soldeu e em El Tarter relativamente acessíveis,
apesar de não serem propriamente baratas!
Eu e o Diogo geralmente almoçávamos por 25€.  


UM SALTINHO A ANDORRA-A-VELHA

Antes de dizermos adeus a Andorra, demos um saltinho à sua elegante capital, Andorra-a-Velha, 
onde apreciámos os edifícios em pedra e xisto, e passeámos um pouco pelas ruas, sem rumo certo!



Antes de almoçar, demos com estas belas árvores em flor, à beira-rio, 
e não resisti a tirar várias fotografias...
Tenho um fraquinho enorme por estas flores, são uma ode à Primavera, que está quase aí!


PREÇO & CONSIDERAÇÕES FINAIS 

Ao todo, por pessoa, a viagem ficou nos 1300€. 
Este tipo de férias não são baratas, é certo, mas valem pela experiência única! 
ADOREI a experiência de esquiar, ADOREI ver a neve a cair, as montanhas brancas...
é uma paisagem onírica!
Primeiro estranha-se, depois entranha-se!


QUEM JÁ FEZ ESTE TIPO DE FÉRIAS? ONDE?
QUEM NÃO FEZ, PENSA FAZER?

Se tiverem alguma dúvida relativamente às minhas férias, não hesitem em perguntar!

Beijinhos e um excelente mês de Março para todos!


26 January 2020

Outfits | 5 Looks wearing 2nd Hand clothes


Foi ainda em 2019 que iniciei a aventura de comprar roupas em segunda mão!
Não cresci com esse conceito, 
mas a maior sustentabilidade ecológica deste tipo de escolhas fez-me arriscar.

Resolvi confiar no site Micolet.pt para a minha primeira experiência,
e 4 encomendas depois, posso dizer que estou bastante satisfeita!
Todas as peças em segunda mão que tenho no meu armário 
(algumas das quais serão as estrelas dos conjuntos que vou apresentar hoje!)
foram encomendadas a partir deste site, enviadas com celeridade e foram excelentes achados!
Desde mom jeans ainda com etiqueta, até um casaco de pele que custou menos de 25!

Não me quero alongar na introdução, por isso vou passar à parte dos conjuntos em si,
o primeiro dos quais é Micolet dos pés à cabeça (calças, camisola e blazer),
e os outros que contam com pelo menos 2 peças em segunda mão!

Espero que gostem e que nos comentários me contem qual dos 5 conjuntos é mais a vossa cara!
Estou curiosa!

Um beijinho grande


In 2019, I started my adventure to buy second-hand clothes!

I don't buy many itens, due to my Capsule Wardrobe commitment, 
but nevertheless this year I decided to up my game:
for the whole year of 2020 I won't be buying ANY ITENS of CLOTHING...
except they're second-hand!
Yep, that's right, for a whole year I will be wearing the same 100 itens of clothing from my capsule
(I'll be showing them ASAP),
and I can only buy pre-owned clothes (if any!).
Let's see how that goes!

Meanwhile, this post is a celebration of how second-hand clothes can actually be pretty cool,
and create amazing outfits!
In the rest of the post you'll be able to see 5 different outfits:
they have in common the fact that they were created with a base of pre-owned 2-3 pieces!

Hope you enjoy them!


navy blazer2nd hand El Corte Inglés c/o Micolet | black silk and wool sweater2nd hand Massimo Dutti c/o Micolet
black pants: 2nd hand Massimo Dutti c/o Micolet | black bag: Uterque | belt and boots: Mango | necklace: Stradivarius

Fotografei o primeiro conjunto num passeio pela Ericeira, ao pôr-do-sol.
O tom azul marinho do blazer elegante em segunda mão não é muito perceptível nestas fotos,
mas acreditem que é um tom bastante rico e que combina na perfeição com preto!

Terá sido este conjunto simples o vosso favorito?

black leather jacket2nd hand Michael Dormit at Micolet | green t-shirt: ZARA | green belt: Mango
mom jeans: 2nd hand Stradivarius at Micolet | watch: Andrew Martin Store | earrings: c/o Amaltica

No segundo conjunto com roupa em segunda mão, a estrela foi para uma das peças mais controversas do meu Armário Cápsula:
o blazer preto em pele!
Combinei-o com umas mom jeans, tons de verde - sem esquecer os meus novos brincos da loja portuguesa Amaltica - e voilá!
Será que foi este o vosso favorito?


black leather jacket2nd hand Michael Dormit at Micolet | brown belt: H&M
brown croco bag: 2nd hand Carpisa c/o Micolet | necklace: Stradivarius
wool and cashmere sweater: 2nd hand Massimo Dutti | black shorts and wine boots: Mango 

Neste 3º conjunto voltei a usar o meu blusão de pele, mas desta vez combinei-o com acessórios acastanhados,
para fazer sobressair o lado mais cool da carteira Carpisa em segunda mão!
Fiquei rendida à sua estética minimalista e à textura eclética.


beige blazer: 2nd hand Massimo Dutti at Micolet | camel wool and silk sweater: Massimo Dutti
beige pants: 2nd hand Episode c/o Micolet | earrings and necklace: c/o Tijn Homelife

No 4º conjunto assumi o meu grande amor por tons neutros no Inverno,
e vesti um dos pares de calças mais perfeitos que já experimentei: 
originalmente custavam 110€ (ficaram a menos de 30€)são de um material excelente, têm forro! (nunca usei calças com forro) e assentam que nem uma luva!
Combinei-as com este blazer da Massimo Dutti e uma camisola de gola alta...senti-me bastante elegante!

Será que é este que vos vai roubar o coração?


wool and cashmere beige coat: El Corte Inglés | sweater: H&M | camel pants: 2nd hand Asos c/o Micolet
wool white scarf: Mango | white beret2nd hand c/o Micolet | earrings: c/o Tijn Homelife

O último conjunto é uma ode à delicadeza dos tons claros, e é o meu favorito!
Nele estreei pela primeira vez em fotografia o meu sobretudo novo do El Corte Inglés, 
com lã e lã caxemira, que comprei na Black Friday, um casaco que quero guardar a vida toda!

As calças, essas, são em segunda mão, assim como a boina branca (arrojada q.b.) que foi amor à primeira vista!

Quem, tal como eu, adorou este conjunto?
  

15 January 2020

Opinion | Ecologia: os falhanços e vitórias de 2019...e o que quero melhorar em 2020!


A ECOLOGIA é um tema incontornável nos dias de hoje.
Com uma nova década a começar, enfrentamos um ponto de viragem na humanidade:
ou MUDAMOS, ou PERECEMOS.
E se é certo que muita da mudança que é necessária passa por medidas geopolíticas,
é também certo que CADA PASSO CONTA.
Longe vai o tempo em que reciclar bastava.
Reciclar é uma pequeníssima parte daquilo que podemos fazer.
Há muito que podemos melhorar nas nossas escolhas diárias.

Por outro lado, devemos evitar desmoralizar. A ecologia não é 8 ou 80.
É o conjunto de todas as mudanças, das pequenas conquistas que vamos fazendo.
Posto isto, nesta publicação irei reflectir sobre o meu percurso ecológico de 2019,
aquilo que fiz de melhor e pior, e estabelecer o fio condutor para 2020.
Espero que, de alguma forma, vos possa inspirar,
e sirva de base para trocarmos ideias e conselhos entre nós!


OS FALHANÇOS DE 2019

 2019 foi um ano tumultuoso.
Terminei a Especialidade, o que envolveu meses de estudo intensivo,
mudei de casa, de local de trabalho, de cidade...
Tudo isto para introduzir que em 2019 estive longe de ser o paladino perfeito da ecologia.

Aqui estão alguns dos meus “falhanços” ecológicos:

1.
Alimentação
Este foi, para mim, um dos piores campos do ano.
Além de, na sequência do estudo e mudanças,
termos recorrido mais vezes a comida instantânea/"take away" (o que acarreta mais desperdício),
não cozinhei tantas refeições vegetarianas/vegan quantas queria.

Acontece-me algo que tenho a certeza que muitos de vocês vão perceber:
quando estou cansada, sem ideias, com pouco tempo, (…)
malgrado todos os livros vegetarianos de culinária que tenho (tenho de vos mostrar um dia!),
entro em modo "piloto automático" e acabo por confecionar refeições com proteína animal,
que estão embutidas no meu DNA cultural.
Não me orgulho disto, mas é a minha realidade!

Em 2020, quero forçar-me a contrariar isto: planear melhor, não me deixar levar pela preguiça...
e reduzir mais o consumo de produtos de origem animal, 
sobretudo a carne de bovino, que tanto contribui para o aquecimento global.

Objectivo concreto para 2020:
2/3 das refeições que cozinhar serem vegetarianas/vegan.

2.
Produtos "ecológicos" que foram grandes "flops"
Em 2019, num pequeno frenesim, comecei o ano a comprar uma série de produtos “ecológicos”. 
Alguns foram um sucesso. Outros não. Entre estes encontram-se:

- pasta de dentes de carvão activado numa embalagem de vidro: 
para chegar à conclusão, ao falar com a minha dentista, 
que estava PROIBIDA de usar carvão, por ser abrasivo (eu tenho fissuras).

- desodorizante em embalagem de cartão: 
tinha tudo para funcionar...era 100% natural, com aroma de lavanda, mais sustentável...
mas fiz uma reação alérgica e tive de parar de usar (e eu uso alumínio sem problemas!).

- palhinhas de inox: 
encomendei-as alegremente, até partilhei com amigos...
mas a verdade é que nunca andam comigo e em casa não têm propósito algum! 
Um claro exemplo de algo desnecessário!

- rolos de papel reutilizáveis em bambu: 
parecia uma excelente ideia...até perceber que panos fazem muito melhor o serviço de limpeza!

- escovas de limpeza de fibra de coco: 
comprei logo duas, uma para utilizar na cozinha e outra nas casas de banho...
acontece que são muito duras, pessoalmente odeio limpar com elas!

Objectivo concreto para 2020:
Comprar apenas o que for sustentável e fizer sentido, 
investindo em produtos com embalagem reutilizável ou a granel nas mais diversas áreas. 
Evitar “armadilhas sustentáveis"


3.
A iogurteira
Em 2019 compramos uma iogurteira…
que NUNCA...repito...NUNCA!!! foi sequer estreada!

Objectivo concreto para 2020:
Escusado será dizer que quero finalmente dar-lhe uso!!!

4.
Comprar água engarrafada
Um dos meus piores desafios no que toca à sustentabilidade:
sou de uma terra de termas: cresci com fontes de á90gua de excelente qualidade e paladar à mão...
e a água é A minha bebida favorita...excepto se for da torneira!
Não consigo tolerar o sabor, prefiro não beber...
Daí que cá em casa costumamos abastecer-nos de água do Minho quando vamos ao Norte,
reutilizando garrafões.
O problema é quando o "stock" termina e ficamos por Lisboa durante semanas...
Aí, confesso, recorremos, infelizmente, a comprar água engarrafada...

Objectivo concreto para 2020:
PARAR de comprar água engarrafada: 
se não pudermos ir buscar água a uma fonte, 
explorar o filtro que está pré-instalado no nosso apartamento e ver se ajuda no sabor.


5. 
Ainda sobre a água...
No início de 2019, ainda em Valongo,
 tínhamos um vasilhame na casa-de-banho para recolher a água do banho enquanto a água aquecia,
reutilizando-a para lavar o chão...
mas ao longo dos meses fomos perdendo este (bom) hábito e litros e litros de água foram desperdiçados!

Objectivo concreto para 2020:
Recuperar o hábito: estamos a falar de litros de água potável desperdiçada!

VITÓRIAS DE 2019

Nem tudo foram derrotas, em 2019 houve muitos motivos ecológicos para celebrar! 
Deixo aqui alguns dos principiais:

1.
Rendi-me ao copo menstrual Organicup
Já uso este copo menstrual há um ano e não podia estar mais adaptada e satisfeita!
A minha principal motivação para finalmente me render a esta nova forma de encarar o período foi ecológica:
o desperdício que os pensos higiénicos e tampões representam é inegável! Com este copo, anulo 10 anos de desperdício!
Além disso, o copo menstrual é prático, não se sente e é feito com silicone hipoalergénico.


2.
Mais compras ecológicas/a granel/sem embalagem/de produção local
Em 2019 rendi-me ao shampoo sólido e aos sabonetes (adeus gel de banho!),
aos discos desmaquilhantes reutilizáveis e às escovas de bambu, 
para nomear alguns casos de sucesso!

Quando vou às compras, procurei comprar o máximo de produtos a granel,
 de preferência de produção local, desde fruta, massa, sementes e frutos secos…
Por este motivo, o Auchan tem sido a minha loja de eleição!
Relativamente a produtos embalados: 
dei primazia a embalagens em alumínio/papel, sempre que possível! 

Tive ainda oportunidade de testar vários produtos de limpeza da marca portuguesa EcoX,
 feitos a partir de óleo alimentar usado,
 e que podem ser adquiridos a granel em vários pontos do país!


3.
Mais roupa em segunda mão 
Em 2019 continuei a desenvolver o meu conceito de "menos é mais" na moda.
Além de aprimorar o conceito de "Armário Cápsula" (que me limita as compras de roupa), 
comecei a apostar em peças em segunda mão, uma forma mais sustentável de encarar a moda!

Em 2020, quero passar um ano inteiro sem comprar roupa...
a não ser (a título excepcional!) que seja em segunda mão! 
Alguém se junta a mim?

4.
Mais peças de roupa “para sempre”
Também na área da moda, 
para a construção do meu Armário Cápsula para 12 meses escolhi peças com vida longa, 
intemporais, com materiais de qualidade,
 nomeadamente fibras naturais, como lã, caxemira, seda e linho...
2019 foi um ano em que, sim, comprei mais roupa relativamente a outros anos...
mas comprei de forma deliberada e consciente, preferindo qualidade a quantidade! 
Que o digam as centenas de peças que deixaram de ter um lugar no meu armário e foram doadas ou vendidas...

5.
Menos lavagens
A forma como cuidamos da nossa roupa tem impacto ambiental em duas vertentes: 
quanto melhor preservamos e cuidamos a nossa roupa, mais tempo ela dura; 
por outro lado, as nossas escolhas na hora de lavar podem poupar luz, água
 e minimizar a libertação de microplásticos.
Uma das maiores mudanças que implementei foi a de NÃO lavar a roupa em cada utilização, 
optando por colocá-la a arejar, e lavando as peças apenas quando se encontram sujas.

O QUE QUERO MELHORAR EM 2020

Além do que já fui referindo, há alguns pontos concretos que quero trabalhar este ano:

1.
Reduzir o consumo em "stand-by" 
Uma forma simples, mas eficaz de reduzir o nosso consumo eléctrico, 
poupando não só o ambiente como a carteira.

2.
Recusar a papelada da informação médica 
Esta medida é bastante pessoal, uma vez que tem a ver com a profissão. 
Contextualizando: enquanto médica sou visitada todos os dias por vários delegados de informação médica 
que me estendem ANUALMENTE centenas de panfletos, recordatórios, blocos de notas, lembretes e afins... 
Eu e o Diogo acumulamos pilhas gigantes de material, ou, pior!, 
estes documentos vão directamente para a reciclagem!!!, e eu quero eliminar esse desperdício atroz!

3. 
Comprar (ainda) menos embalagens
Em 2020 quero comprar mais a granel, 
sejam produtos alimentares (como leguminosas, que tenho comprado já enlatadas), 
ou de higiene (como dentífrico, por exemplo). 
Para descobrir mais opções quero visitar uma loja a granel brevemente, coisa que nunca fiz.

4.
Fazer mais produtos em casa
o meu próprio leite vegetal, barritas, polpa de tomate, ... 
Fazer o meu próprio leite vegetal, polpa de tomate, barritas, etc é um objectivo de longa data...
e em 20202 quero finalmente colocá-lo em prática!

5.
Eliminar (mais) produtos descartáveis
No ramo da sustentabilidade, uma das coisas que quero abolir da nossa casa...e no dia-a-dia!, 
são os guardanapos de papel! 
Esta última medida é simples, eficaz e evita um desperdício diário!

Ufa, era tudo! 

Fico a aguardar as vossas opiniões, testemunhos e sugestões!
Que medidas adoptam para serem mais sustentáveis? Em que áreas vão trabalhar em 2020? 

Contem-me tudo nos comentários!

ShareThis